Herpes Genital | Dr. Gustavo Battistetti | Urologista

Sistema Reprodutor

Herpes Genital

Herpes genital

O herpes genital é uma infecção sexualmente transmissível (IST) transmitida através do sexo vaginal, anal e oral. Os sintomas podem desaparecer sem tratamento mas podem voltar.

Aparência | Herpes Genital



Procure um urologista se começar a apresentar:

Pequenas bolhas que estouram e deixam feridas abertas e vermelhas ao redor de seus órgãos genitais, ânus e coxas.
Formigamento, queimação ou coceira nos órgãos genitais.
Dor ao fazer xixi.
Nas mulheres, corrimento vaginal não usual.

Estes podem ser sintomas de herpes genital e devemos suspeitar mesmo em quem não teve relações sexuais há muito tempo, pois as bolhas podem levar meses ou anos para aparecerem.


Por que o herpes genital volta?

O herpes genital é causado por um vírus chamado herpes simplex (HSV). Depois de infectado ele permanece em seu corpo. O vírus não se espalha para causar bolhas em outros lugares, ele permanece em um nervo próximo ao local onde ele entrou e causa bolhas na mesma área.


Evite situações que desencadeiem sintomas.


Os gatilhos podem incluir:

● Luz ultravioleta - por exemplo, de banhos de sol ou espreguiçadeiras
● Fricção na área genital - por exemplo, por relação sexual (lubrificante pode ajudar) ou roupas apertadas
● Fumar
● Bebida álcoolica



Alguns gatilhos são inevitáveis incluindo:

● Estresse
● Ciclo menstrual
● Cirurgia na sua área genital
●Sistema imunológico enfraquecido - por exemplo: tratamento quimioterápico para câncer


Como é feito o diagnóstico de herpes genital?

O diagnóstico do herpes genital é clínico, ou seja, baseado na avaliação médica através da história e características das lesões. Entretanto, em alguns casos, o diagnóstico clínico pode ser difícil por se apresentarem de forma atípica (casos que não apresentam lesão típica - vesículas e/ou bolhas múltiplas, dolorosas e ulcerativa). Nestes casos o urologista pode lançar mão de exames como o PCR realizado através do fluido colhidos das bolhas ou raspado das feridas.

A biópsia das lesões pode ser útil na indisponibilidade do exame PCR.

A cultura viral era anteriormente o padrão ouro para detecção do HSV (vírus da herpes), mas raramente é realizada hoje na prática clínica.

A sorologia tipo-específica pode distinguir entre HSV-1 e HSV-2, mas não pode distinguir uma infecção primária de infecção recorrente ou diferenciar infecção por HSV oral de genital. Por isso não é usada rotineiramente para o manejo de infecções genitais mas pode ser útil se um paciente quiser saber se está sob risco de adquirir Herpes de um parceiro com história anterior de herpes genital.


Qual o tratamento para herpes genital?

Herpes não tem cura. Porém, apesar dos sintomas sumirem espontâneame o tratamento pode acelerar o término de uma crise ou até mesmo evitá-la.



Durante a primeira crise de herpes genital poderá ser prescrito:

● Medicamento antiviral para impedir o agravamento dos sintomas - é preciso começar a tomar o quanto antes. No máximo 5 dias após o aparecimento dos sintomas.
● Creme para a dor e antibióticos para evitar infecções secundárias.



Tratamento se as bolhas voltarem:

● O medicamento antiviral pode ajudar a reduzir o surto em 1 ou 2 dias se você começar a tomá-lo assim que os sintomas aparecerem.


Os surtos recorrentes são geralmente mais leves do que o primeiro episódio de herpes genital. Com o tempo, os surtos tendem a acontecer com menos frequência e serem menos graves. Algumas pessoas nunca mais terão surtos. Outras pessoas, entretanto, podem apresentar crises recorrentes com muita frequência. Mais de 6 surtos em um ano pode se beneficiar de uso de medicamentos antivirais de forma profilática por 6 a 12 meses.


Como lidar com surtos de herpes genital.

Se você foi diagnosticado com herpes genital e está tendo uma crise:

FAZER

● Mantenha a área limpa usando água morna ou soro para evitar que as bolhas infeccionem
● Aplique uma bolsa de gelo protegida por um pano ou toalha para aliviar a dor
● Aplique vaselina ou creme analgésico (como lidocaína 5%) para reduzir a dor ao fazer xixi
● Lave as mãos antes e depois de aplicar o creme ou gel.
● Fazer xixi enquanto despeja água sobre os genitais para aliviar a dor



NÃO FAZER

● Não use roupas apertadas que possam irritar bolhas ou feridas
● Não coloque gelo diretamente na pele
● Não toque em suas bolhas ou feridas, a menos que esteja aplicando creme
● Não faça sexo vaginal, anal ou oral até que as feridas desapareçam


Como o herpes genital é transmitido?

O herpes genital é muito fácil de ser transmitido. Normalmente isso ocorre por contato pele a pele quando estamos em um período de crise, desde o primeiro formigamento ou coceira de um novo surto (antes do aparecimento de qualquer bolha) até quando as feridas estiverem totalmente curadas. Entretanto, uma pessoa também pode transmitir o vírus mesmo que não tenha nenhum sintoma.

Herpes genital não é transmitido por objetos como talheres ou copo. O vírus morre muito rapidamente quando longe de sua pele.


Como podemos nos proteger contra herpes genital?

● Usar camisinha toda vez que fizer sexo vaginal, anal ou oral - mas o herpes ainda pode ser transmitido se a camisinha não cobrir totalmente a área infectada.
● Evitar sexo vaginal, anal ou oral se você ou seu parceiro tiver bolhas, feridas, formigamento ou coceira que signifique que um surto está por vir.
● Não compartilhar brinquedos sexuais (se o fizer, lave-os e coloque um preservativo neles).


Herpes genital e gravidez

As mulheres que tiveram crises de herpes antes da gravidez geralmente não apresentam complicações gestacionais. Porém em casos de crise de herpes genital durante a gravidez há risco do bebê desenvolver uma doença grave chamada herpes neonatal. Isso pode ser fatal, mas a maioria dos bebês se recupera com tratamento antiviral.

O risco de seu bebê contrair herpes neonatal é maior se você contrair herpes genital pela primeira vez durante a gravidez.

Tratamento de herpes genital na gravidez

Pode ser oferecido tratamento antiviral:

● Para tratar surtos na gravidez
● A partir de 36ª semana para reduzir a chance de um surto durante o parto
● Do diagnóstico até o nascimento, se a gestante contrair herpes após 28 semanas de gravidez

Muitas mulheres com herpes genital têm parto vaginal. Entretanto, em alguns casos, dependendo das circunstâncias, é aconselhável cesariana.

Dr. Gustavo Battistetti

Formado na Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul. Residência em Cirurgia Geral na Santa Casa de Misericórdia de Campo Grande. Residência de Urologia na Santa Casa de Misericórdia de Campo Grande. Título de especialista pela Sociedade Brasileira de Urologia (TiSBU).

Gustavo Battistetti - Doctoralia.com.br